Quando o amor vira obsessão – Avalie os sinais

Manter um relacionamento saudável pode não ser a atividade mais simples do mundo para algumas pessoas. Muitas vezes as relações vão tomando rumos desagradáveis, que em vez de adicionarem coisas boas, acabam sufocando e dando sensação de prisão e opressão. O que pode parecer uma simples demonstração de afeto, amor, dedicação e cuidado pode se transformar em uma obsessão extrema.

Quando o amor vira obsessão - Sintomas da doença 1

Geralmente a pessoa que “ama demais” nunca enxerga o quanto ela oprime o companheiro ou companheira, se sente sempre em desvantagem, como a sua parceira não correspondesse o amor à altura. Estes são apenas alguns dos sinais mais simples que um apaixonado compulsivo pode dar.

Um sinal muito comum dado pelas pessoas que amam demais é o controle exagerado pela vida do outro. A pessoa que apresenta esse comportamento geralmente desconfia de qualquer atitude do parceiro, sempre acha que está sendo traída, que alguém está enganando-a, entre outas suspeitas. Com isso, surgem muitas brigas, pois quem é acusado acaba perdendo a paciência nas inúmeras tentativas de explicar e comprovar a sua inocência.

Outro sintoma muito comum desse comportamento compulsivo é a dificuldade em lidar com a rejeição. Qualquer atitude do parceiro que fuja do esperado, o compulsivo costuma ter crises, alegando que a pessoa amada irá deixá-lo. Quando realmente o acontece um término no relacionamento, é comum essa pessoa fazer ameaças, especialmente contra a sua própria vida.

A depressão também é um dos sintomas mais comuns entre os amantes compulsivos. Muitas vezes não é preciso que ocorrer um rompimento no relacionamento, basta uma discussão, um desentendimento ou uma desconfiança para que a pessoa entre me total desânimo e depressão. A partir desse momento o compulsivo passa a não ver mais sentido em sua vida, portanto acaba deixando de lado quaisquer sejam as suas responsabilidades e atribuições.

É muito difícil conviver em uma relação assim, pois você acaba se sentindo culpado pelo estado da pessoa que tem o comportamento compulsivo e até tenta achar motivos para tais atitudes. Isso e muito ruim, pois acaba criando um ciclo que não acaba nunca. A pessoa lhe cerca, vocês brigam, depois ela faz ameaças, você se sente culpada e com medo de abandoná-la e até ficar responsável por alguma loucura que ela possa fazer.

É essencial buscar os tratamentos adequados, pois somente assim é possível dar fim a essa relação sem que os dois saiam machucados.

 

Por Íngrid de Castro

1 Estrela2 Estrela3 Estrela4 Estrela5 Estrela (Ainda sem avaliação)

Deixe um comentário