Tratamentos para Quelóides

Tudo sobre quelóides

O quelóide é uma lesão proliferativa, formada por tecido de cicatrização, fibroso, secundária a um traumatismo da pele. Essa lesão tem superfície lisa e consistência endurecida. No início, geralmente tem cor rósea ou avermelhada adquirindo, mais tarde, cor semelhante à pele normal ou escurecida. A região anterior do tórax e os ombros são localização frequente de quelóides.

Há uma predisposição individual para o seu aparecimento. A freqüência maior encontra-se em pacientes jovens, entre 10 e 30 anos. É mais comum em pessoas do sexo feminino em relação ao masculino. O quelóide é mais comum, pela ordem, em pessoas de cor de pele negra, parda, amarela (orientais) e branca. Pessoas negras estão quase 20 vezes mais predispostas ao aparecimento do quelóide que pessoas brancas. A presença simultânea de mais de um quelóide, em relação a situações com a presença de um único quelóide, também é um fator de risco para aumentar a chance do quelóide retornar após sua retirada cirúrgica. De qualquer forma, um quelóide reincidente não representa uma contra-indicação para uma nova operação.

A causa desse distúrbio ainda está insuficientemente esclarecida. Apenas conhecem-se fatores de risco para o desenvolvimento do quelóide, como feridas suturadas sob tensão ou em regiões de pele mais espessa, que cicatrizaram sem sutura, ou feridas que evoluíram com infecção. Ainda, pessoas com algum tipo de alergia são mais freqüentemente encontradas nos portadores de quelóide, em relação às pessoas com cicatrização normal.

O tratamento do quelóide é muitas vezes difícil, sendo frequente o seu retorno. A retirada cirúrgica deve sempre ser acompanhada de outros tratamentos, como infiltração de corticosteróides, compressão ou radioterapia. A crioterapia com nitrogênio líquido (tratamento que congela o quelóide), precedendo a infiltração, também pode trazer bons resultados.

A associação das técnicas de tratamento aumenta a chance de cura e deve ser determinada de acordo com cada caso.

 

Por Ingrid de Castro.

Deixe um comentário