Tudo sobre formol nos cabelos

formolP

FORMOL
Por um bom tempo o formol foi usado por algumas mulheres nos cabelos tanto para alisar como amaciar virando uma febre em todos os salões e casos de progressivas feita em casa.

Hoje um tratamento capilar condenado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), por conter formol em concentrações elevadas, que associado com o calor do secador gera vapores de formol altamente penetrantes, causando danos à saúde.

Muitos profissionais visando o lado financeiro faziam escovas progressivas o dia inteiro sem se preocuparem com sua saúde e da própria cliente.
Os problemas de saúde trazidos pela substancia pode ir da deficiência respiratória, hipersensibilidade ao formol e inclusive um choque anafilático que pode levar à morte por asfixia.

A Anvisa regulamenta os produtos cosméticos com o único objetivo de proteger a saúde dos usuários, portanto produtos com taxas acima de 0,2% de formol, não consegue registro junto ao Ministério da Saúde.

O formol solubiliza óleos e, portanto, dissolve o cimento intercelular e a membrana celular que envolve as fibras de queratina tornando-as desprotegidas. Sem os componentes oleosos os cabelos ficam endurecidos, sem maleabilidade e sem brilho e eles começam a se partir como se tivessem vitrificados.

Para aquelas que hoje tem problemas com os cabelos devido ao uso do formol o ideal é a hidratação profunda rica em proteínas e ativos emolientes e condicionantes.

Encontramos progressivas sem formol deixando os cabelos lisos e macios mas infelizmente algumas farmácias ainda vendem o formol o que é proibido para que você não seja enganada com uso de formol por algum profissional mal intencionado observe que o cheiro de formol é inconfundível e os olhos lacrimejam, a garganta e as narinas ficam irritadas e muitas pessoas começam a tossir.

Os riscos do Formol:

Contato com a pele (couro cabeludo) – Tóxico. Causa irritação à pele, dor e queimaduras.

Contato com os olhos – Causa irritação, vermelhidão, dor, lacrimação e visão embaçada. Altas concentrações causam danos irreversíveis

Inalação – Pode causar câncer no aparelho respiratório. Pode causar dor de garganta, irritação do nariz, tosse, diminuição da freqüência respiratória, irritação e sensibilização do trato respiratório.

Exposição crônica – A freqüente ou prolongada exposição pode causar hipersensibilidade, levando às dermatites.

O contato repetido ou prolongado pode causar reação alérgica, debilitação da visão e aumento do fígado.

1 Estrela2 Estrela3 Estrela4 Estrela5 Estrela (Ainda sem avaliação)

3 Comentários

Deixe um comentário